fbpx

Obras do Calçadão são retomadas no centro de Santa Maria

Foto: Fabiano Marques (Diário) 
Na primeira etapa, floreiras estão sendo retiradas do local

Trabalhos devem durar até oito meses. Obra é orçada em R$ 2 milhões

Depois de idas e vindas e um acordo entre a prefeitura e empresários, uma antiga promessa começa a sair do papel. As obras do Calçadão Salvador Isaia, no Centro, foram retomadas nesta quarta-feira. Nesta primeira etapa, estão sendo retiradas as floreiras, os postes e o termômetro localizado em frente à Caixa Econômica Federal para possibilitar que as máquinas que farão as escavações tenham acesso ao local. 

– Até sexta-feira, a gente imagina que essa primeira etapa esteja concluída – afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ewerton Falk, que encabeça as negociações pelo Executivo. 

A obra está orçada em R$ 2 milhões. São R$ 900 mil a mais do que o previsto no início do projeto. A explicação para o aumento está na colocação de galerias pluviais mais robustas do que o previsto inicialmente, com previsão de vida útil de, ao menos, 40 anos. A revitalização tem previsão de duração de até oito meses e será realizada por duas empresas: a construtora De Marco, de Erechim, e a Urbanes Empreendimentos, de Santa Maria. Todo o valor empregado na revitalização será em contrapartida ao município. Ou seja, nenhum recurso sairá diretamente dos cofres públicos. Com o acordo, o Executivo deixará de receber o valor pendente pelas construtoras à prefeitura. 

Na primeira parte do serviço, a Urbanes, que é responsável por 40% dos trabalhos, deve acabar com um dos problemas crônicos e que mais atinge os comerciantes do local: as infiltrações que ocorrem em lojas que ficam abaixo do nível do Calçadão. Em 2019, remendos paliativos chegaram a ser realizados. No entanto, os trabalhos foram insuficientes e não lograram êxito. Agora, novas estruturas serão colocadas pela Urbanes em toda a extensão do Calçadão, o que deve acabar definitivamente com o transtorno. 

As escavações para as galerias serão iniciadas no trecho da Caixa Econômica Federal, próximo à Praça Saldanha Marinho. No projeto original, a obra iria iniciar pela Rua Floriano Peixoto. Contudo, em função dos trabalhos que são realizados no antigo prédio da loja Macedo Brinquedos, técnicos da prefeitura e das construtoras entraram em consenso de alterar o cronograma das obras. 

A De Marco vai assumir o restante dos trabalhos após a conclusão da primeira etapa. Ela será responsável pela revitalização completa e paisagismo do local. A ordem de serviço só será assinada após o fim do trabalho da Urbanes. 

ACORDO
A presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Santa Maria, Marli Rigo, comemora o início das obras. Ela ressalta o comprometimento do Executivo em cumprir o acordo firmado, em dezembro, com entidades representativas do setor empresarial. À época, empresários enviaram um ofício ao prefeito Jorge Pozzobom (PSDB) pedindo para que a obra fosse retomada apenas em janeiro, já que havia o temor de que o retorno dos trabalhos poderia impactar na circulação de pessoas e, por consequência, nas vendas de final de ano. 

– Estou muito feliz. Santa Maria vai ter, definitivamente, um novo cartão-postal. Acompanhei, às 11h, a retomada dos trabalhos. Realmente ficou dentro do que foi prometido pela prefeitura – afirma a dirigente.

A CRONOLOGIA DAS OBRAS 

  • Em maio de 2019, a prefeitura anunciou que iria fazer uma reforma completa do Calçadão 
  • Incialmente, com o projeto orçado em R$ 1,1 milhão, a construtora De Marco, de Erechim, seria a única responsável pela obra 
  • O valor não iria sair dos cofres públicos, já que seria uma contrapartida ao município pela construção de um conjunto habitacional da construtora no Bairro Camobi 
  • A promessa era acabar com um problema crônico do local: as infiltrações que ocorrem nas lojas que ficam abaixo do nível do Calçadão
  • Em janeiro de 2020, tapumes foram colocados no Calçadão e um espaço na Praça Saldanha Marinho, onde fica a árvore de Natal, foi destinado para receber os materiais para a obra 
  • Em março, com a chegada da pandemia, os trabalhos foram interrompidos 
  • Durante o ano, a prefeitura acertou que a Urbanes Empreendimentos, de Santa Maria, iria ajudar a De Marco com as obras, também como contrapartida ao município 
  • A primeira fica responsável por 40% dos trabalhos, incluindo a instalação das novas tubulações, e a segunda com o paisagismo 
  • Em função da entrada da nova empresa nas obras, o projeto foi alterado. Agora, com a previsão de instalação de galerias pluviais mais robustas, a obra está orçada em R$ 2 milhões 
  • Em dezembro, estava tudo pronto para os trabalhos recomeçarem. No entanto, entidades representativas do setor empresarial enviaram um ofício ao prefeito Jorge Pozzobom (PSDB) pedindo o adiamento das obras 
  • O entendimento era de que as obras no Centro poderiam afetar o movimento para as compras de Natal 
  • O ofício foi aceito e a prefeitura prometeu o recomeço dos trabalhos para a primeira quinzena de janeiro 
  • Ontem, as obras recomeçaram, com a retirada das floreiras, postes e do termômetro do local 
  • A expectativa de duração da intervenção é de 8 meses

Notícia escrita por Eduardo Tesch, confira aqui.